Sim nós podemos | a sociedade do cansaco

Sim, nós podemos. Desempenho, Esgotamento e Depressão.

categoryDepressão
tagdepressão, psicanalise, psicologia

Sim, nós podemos. Desempenho, Esgotamento e Depressão.

Este livro olha para o tempo atual. E isso, me prendeu a leitura do início ao fim. O filósofo Byung Chul-Han Sul-coreano tem uma lucidez incrível.

Descrevendo a sociedade do desempenho como não livre. Se sentiu provocado? Se arrisque na leitura.

“A sociedade do trabalho e a sociedade do desempenho não são sociedades livres. Elas geram novas coerções. A dialética do senhor e escravo está, não em última instância, para aquela sociedade na qual cada um é livre e que seria capaz também de ter tempo livre para o lazer. Leva, ao contrário, a uma sociedade do trabalho, na qual o próprio senhor se transformou num escravo do trabalho. Nessa sociedade coercitiva, cada um carrega consigo seu campo de trabalho. A especificidade desse campo de trabalho é que somos ao mesmo tempo prisioneiro e vigia, vítima e agressor. Assim, acabamos explorando a nós mesmos. Com isso, a exploração é possível mesmo sem senhorio”.

Han tem atualizado os temas da filosofia alemã de maneira simples e original: analisando o homem contemporâneo, a subjetividade, as novas formas de dominação, a depressão e as esperanças, seus escritos parecem definir diretamente o que somos, no mundo em que vivemos.

A sociedade do cansaço que Han problematiza é efeito de uma sociedade do desempenho.

“A sociedade de hoje é uma sociedade de academias de fitness, prédios de escritórios, bancos, aeroportos, shopping centers e laboratórios de genética. A sociedade do século XXI é uma sociedade de desempenho”. Nela, o discurso motivacional e seus efeitos colaterais estão crescendo desde o início do século XXI e este discurso não mostra sinais de desaquecimento. Religiões tradicionais estão perdendo adeptos para novas igrejas que trocam o discurso do pecado pelo encorajamento e autoajuda. As instituições políticas e empresariais mudaram o sistema de punição, hierarquia e combate ao concorrente pelas positividades do estímulo, eficiência e reconhecimento social pela superação das próprias limitações.

“A violência neuronal não parte mais de uma negatividade estranha ao sistema. É antes uma violência sistêmica, isto é, uma violência imanente ao sistema”. As pessoas cobram-se cada vez mais para apresentarem melhores resultados, tornando-se, elas próprias, vigilantes, e carrascas, de suas ações. A ideologia da positividade é perversa, nos faz submeter-nos a trabalhar mais e a receber menos.

Uma das principais consequências é um aumento significativo de doenças como depressão, transtornos de personalidade, síndromes como hiperatividade. Na sociedade do desempenho todas as atividades humanas decaem para o nível do trabalho e o homem se torna “hiperativo e hiperneurótico”

Leiam tomem ciência dos Sujeitos deste Século 21. E se reveja.
Eu estou aqui me revendo.

Leia: Sociedade do cansaço

Outros textos da Gisa:

EDUCAÇÃO INFANTIL DURANTE A PANDEMIA

Alienação Parental na Pandemia

A Solidão dos Brasileiros Expatriados na Pandemia

Suicídio na Pandemia

Pandemia; Como fazer a travessia deste momento?

Pandemia- Negar a realidade é grave!

Acompanhe a Gisa no Instagram:

@gisaaquinodineli

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
O que querem as Mulheres? Roda de Conversa
Próximo post
Gotham é aqui.
Menu