Recolhimento: Sozinho em boa companhia

categoryAcolhimento, Depressão, Empatia, Gratidão, Prevenção, Psicanálise, Psicoterapia, Psicoterapia on-line, Saúde Mental, Solidão
tagrecolhimento, separação, solidão, tristeza

Quem me vê sempre parado, distante. Garante que eu não sei sambar.
Tô me guardando pra quando o carnaval chegar…

Chico Buarque de Holanda

Vamos hoje falar à respeito dos momentos de recolhimento. O que são esses momentos?
São aqueles nos quais o “ser” que é livre para ficar em companhia de si mesmo, faz uma escolha consciente e opta por isto. Costuma ser um momento transformador e tende a ser ótimo, quando tomado como uma opção consciente. Além de ser uma maneira sensacional para o desenvolvimento: do amor próprio e do crescimento pessoal. Perceba, isto é muito diferente da solidão(ler o texto anterior), pois aqui pessoa não isola-se evitando o contato.

O recolhimento tem uma intenção saudável, já que neste o sujeito recolhido em si mesmo experimenta o próprio silêncio, se concentra, se observa e reflete sobre suas próprias escolhas. No início desta recolhida, estar “só consigo mesmo” pode até ser desconfortável, mas é um tempo gratificante para aproveitar-se, perceber-se e encontrar-se. Essa busca da própria revolução é um trabalho individual, só se faz sozinho.

A arte de recolher-se normalmente é uma atitude, uma escolha e também uma forma de criar novas possibilidades, tendo como resultado um equilíbrio interno capaz de construir (e reconstruir) relacionamentos da sua vida.

O recolhimento pode ser vivido como uma fase criativa, sendo assim ao escolher estar nele: esbanje criatividade! Seja um artista criador de si mesmo! Traga poesia, música, dança e beleza para sua vida.

Enquanto estiver em sua boa companhia, delicie-se de si mesmo, vá refazendo e revisitando suas fantasias até que chegue o dia de colocar “O bloco na rua”.

(Texto dedicado ao Psicólogo Marcelo Lovato Penna pela amizade, carinho, recolhidas e acolhidas).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Post anterior
E a solidão das pessoas dessas capitais?
Próximo post
A Atriz
Menu